M. I. D. F.
M. I. D. F.
Fevereiro 21, 2017
Propostas Finais

Propostas Finais

Entre os dias 16 e 17 de março de 2017, foi realizado um encontro final para avaliação das propostas elaboradas em todos os encontros locais de “Oráculo+”. Estas são as propostas resultantes deste encontro final de jovens:

  1. Realização de palestras informativas: estas palestras sobre diferentes oportunidades de mobilidade internacional utilizarão os testemunhos na primeira pessoa de pessoas que participaram em projetos de mobilidade internacional e dinamizadas de forma a serem práticas, objetivas e curtas. Deverão realizar-se workshops direcionados para os jovens com o objetivo de promover este tipo de oportunidades e motivá-los para a sua participação. Outro instrumento a implementar é um questionário para aferir o conhecimentos dos jovens sobre este tipoi de oportunidades. Finalmente poderá também haver a possibilidade de pessoas com notoriedade pública para partilharem o seu testemunho neste domínio;
  2. Criação de espaços juvenis: estes espaços servirão como local para a organização de eventos para a promoção de oportunidades de mobilidade internacional equipados com equipamentos eletrónicos e de entretenimento que permitam interatividade;
  3. Organização de encontros interculturais: estes eventos terão como objetivo a promoção do interesse em conhecer outros jovens, outras culturas e associações que promovem esse diálogo intercultural. No âmbito deste capítulo, podem-se organizar cursos de língua para motivar os jovens para conhecerem outros países;
  4. Promoção na Internet: deve-se apostar na criação de vídeos persuasivos – dessa forma, pode-se optar pela criação de parcerias com produtores de conteúdo de grande visibilidade para as redes sociais (YouTubers, Instagramers…) para aumentar a visibilidade dos programas de mobilidade internacional. É importante que se crie parcerias com instituições públicas nomeadamente com as câmaras municipais para a colocação de conteúdos promocionais das oportunidades de mobilidade europeia;
  5. Parcerias com Escolas: deve haver articulação com diferentes órgãos e estruturas internas da escola (por exemplo associações de estudantes, clubes temáticos, jornais ou rádios escolares…) para a divulgação de diferentes oportunidades de mobilidade europeia. O espaço escolar pode servir para colocar cartazes e pode-se utilizar as televisões e altifalantes na área. Para além do espaço físico da escola, foi referenciado que as escolas podem promover este tipo de oportunidades através das suas redes sociais na Internet ou através de aplicações para telemóvel das próprias escolas. Foi referenciado que os cursos profissionais podem contribuir para a criação de materiais para a divulgação das oportunidades de mobilidade europeia;
  6. Promoção no espaço público: criação e colocação de cartazes de grande dimensão colocados em locais estratégicos para os jovens como vias de acesso às escolas ou em espaços de lazer como praias ou áreas de diversão noturna. Dessa forma, recomenda-se a participação em feiras, festivais e outros eventos públicos. Também pode-se pensar na colocação de materiais de divulgação em espaços associados a transportes públicos como autocarros, comboios e as respetivas paragens e estações;
  7. Parcerias com empresas: deve-se promover a articulação com empresas na área das telecomunicações ou turismo como agências de viagem para a promoção deste tipo de oportunidades de mobilidade internacional – todo o tipo de oportunidades de negócio que possam promover
  8. Parcerias com associações: articular com associações que trabalham com jovens e distribuir informação no âmbito das actividades das associações e de forma criativa – por exemplo, um equipamento desportivo poderia ter logotipo do programa Erasmus+. As parcerias com associações permitirão abranger um público mais amplo, disponível e participativo e haver uma articulação conjunta com escolas e municípios. Foi referenciada a importância em apoiar financeiramente as associações que desenvolvem este trabalho de promoção de oportunidades de mobilidade internacional;
  9. Promoção do “passa-a-palavra”: deve-se estimular os processos de comunicação informal entre jovens que poderá ser desenvolvido em diferentes espaços – Escola, Internet ou Família. Dessa forma, deve-se apoiar jovens que têm sentido de iniciativa no processo de divulgação de diferentes oportunidades de mobilidade internacional.

Veja o vídeo de apresentação das propostas finais:

Deixe uma resposta